Atropelamento de pedra

Atropelamento de pedra

Isabella Castro

 

Aquela pedra atravessara inocentemente meu caminho

Eu não tinha como pula-la, desvia-la ou simplesmente

contorna-la

Eu não podia retirar os olhos dela, pois a luz por ela lançada

Alcançara bem mais que meu olhar…

Perigosamente penetrara meus ouvidos, meus poros, meus dentes

Alfinetando cada um de meus sentimentos e dessentidos

Provocando um verdadeiro desentendimento em todo o meu conhecimento

E eu que pensei que eu sabia alguma coisa…

Fiquei sem saber nada, sentada na calçada: eu chorei, eu sorri, eu me desesperei

Desorientada sem saber pra onde ir

Eu fui! Enfeitiçada por seu brilho a toquei

Senti seu cheiro, seu medo, seu apelo

A pedra criou vida em mim e eu dei vida a ela

Experimentamos a felicidade de verdade

Sem nenhuma convenção

Sem nenhuma adequação

Logo

Acabou o verão, vieram as chuvas, as águas levaram muitas coisas

Tudo mudou de lugar

Menos a nossa intimidade de espécies aparentemente tão

diferentes…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *