De que lado você está?

De que lado você está?

Isabella Castro

 

Eu padecia de uma certa nostalgia quando me dava conta de que jamais reuniria todas as pessoas queridas, toda a minha turma, numa festa só, numa alegria só, numa energia só, numa noite só, numa cena só! Com a idade e a maturidade fica mais fácil de compreender essa impossibilidade, no meu caso, bastante acentuada, pois nunca tive uma turma só! Gosto muito de gente e de quase todo o tipo de gente, desde os tempos da adolescência em que eu levava os vendedores de pulseirinha da praia pra almoçarem lá em casa. Mamãe quase morria quando eu chegava com a turma dos “surfistas-hippies” sem avisar. Eles eram tão coloridos, cheios de estórias, nem sempre lavavam os cabelos, mas tudo se conservava bem com a ajuda de parafina e sal do mar. Fina flor da poesia! Eu adorava a possibilidade de saber que eles acordavam pra surfar, pegar a onda era o principal objetivo deles, talvez até por isso tenha me tornado posteriormente uma psicanalista: ao acordar nunca sei a onda que vou pegar, mas pego. Às vezes mais ácida, outras mais suave, às vezes mais alta, outras mais baixas, muito baixas. O analista é aquele que aprendeu a dar à coisa seu devido espanto, sem se espantar.

Com isso, isso tudo, aprendi que a vida é mesmo “como uma onda no mar”, vai e volta, volta e vai. Traz e leva, faz e refaz… é como digo sempre aos meus filhos, há dias em que a gente não faz gol, não levanta a bandeira da alegria, não alcança a fantasia! Nessas horas é preciso esperar o tempo passar, a água abaixar, é preciso abaixar a cabeça e sentir a certeza de que a vida gira e que ninguém sabe quando o último giro será! É preciso atravessar a onda por dentro: chorar se precisar, dormir até sonhar, se deixar levar pelo momento para que o momento não se eternize. É preciso entrar na onda para ver o que ela lhe oferece! Nada, nada é por acaso. Nadar também não. Tudo o que se ganha e tudo o que se perde tem um sentido, um sentido às vezes muito dolorido, mas um sentido! Que seja de deixar o lugar vago para que algo melhor aconteça! Esvaziar.

Não gostaria de assumir um ar professoral, mas digamos que eu seja uma especialista em guardar segredos (frase do meu Davi) e na lida aprendi que a vida é mesmo um pote de surpresas sem as quais ninguém pode passar.

Um dia caramelo, o outro rubro-negro. Um turquesa, o outro lilás! Ninguém sabe nada! Então é melhor aproveitar os dias de sol para se bronzear ou lavar as roupas! Nos de frio melhor se recolher e bem comer!

Por melhor que esteja o astral, por maior que seja o sonho, por melhor que pareça o convite, o recolhimento, assim como o silencio, são necessários à alma.

No panorama geral haverá sempre um amigo meio descontente, um parente meio doente, uma geladeira um pouco vazia, uma esperança meio partida, um vizinho envolvido em um pequeno acidente, mas… há a festa e a fantasia! O dia seguinte e a poesia! Sob essa perspectiva, escolha sua vida: tragédia ou alegria? Ambos sempre vão participar, basta saber de que lado você está!

 

 

 

2 comentários em “De que lado você está?

  1. Que legal Isabella!
    Engraçado isso de ser psicanalista e gostar de gente!!
    Gostei, não tinha pensado nisso!!
    Guardar segredos também é um segredo que só quem guarda sabe!!
    Continue escrevendo…
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *